Sérgio Queiroz defende investigações no MEC, mas rechaça comparação com governo Lula; Ouça

Sérgio Queiroz disse que não se pode fazer avaliações precipitadas sobre a prática de crimes / Foto: reprodução

O pré-candidato ao Senado, pastor licenciado Sérgio Queiroz (PRTB), defendeu nesta quinta-feira (22), as investigações da Polícia Federal sobre eventual prática de corrupção na gestão do ex-ministro Milton Ribeiro no Ministério da Educação. Ele ponderou, no entanto, que não se pode fazer avaliações precipitadas sobre a prática de crimes no Governo do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Em mensagem ao blog Agenda Política, Sérgio Queiroz defendeu o que chamou de ‘transparência’ e ‘combate duro à corrupção’. “O quer não podemos, antes de mais nada, é afirmar que houve corrupção antes que o ex-ministro tenha a oportunidade de apresentar sua defesa e que ao final as condutas sejam avaliadas e os autores dos delitos condenados”, disse.

Sérgio Queiroz atuou no Governo Federal na condição de secretário global dos Direitos Humanos e, posteriomente, como secretário especial de Modernização do Estado. Ele rechaçou que se faça uma comparação do atual governo com irregularidades praticadas nas gestões do ex-presidente Lula.

“Agentes públicos foram condenados no governo Lula, muitos cumpriram pena e o próprio ex-presidente foi condenado em três instâncias. Estamos aqui diante de indícios que precisam ser investigados. Não tenho bandido de estimação”, finalizou.

Prisão do ministro

O ex-ministro Milton Ribeiro foi preso pela Polícia Federal, na manhã desta quarta-feira (22), durante a operação policial “Acesso Pago”, destinada a investigar a prática de tráfico de influência e corrupção para a liberação de recursos públicos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, vinculado ao Ministério da Educação.

Ouça o áudio a seguir

Agenda Política

Compartilhe

Você pode gostar...

1 Response

  1. Membro da Cidade Viva disse:

    Expectativa: neocalvinismo kuyperiano

    Realidade: E o PT hein? E Lula?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *