Paraíba atinge 3º lugar no Nordeste em ranking de financiamento de habitação social com recursos do FGTS

Habitação de Interesse Social (Foto: Adalberto Marques/MDR)

Dados divulgados pela Caixa Econômica Federal mostram que a Paraíba, no acumulado de 2015 a 2021, ficou em terceiro lugar no ranking de financiamento de Habitação de Interesse Social (HIS) com recursos do FGTS, com volume de R$ 2.8 bilhões em recursos investidos.

O volume é menor apenas do que o registrado em Pernambuco (R$ 4.1 bilhões) e Bahia (R$ 3.9 bilhões), e igual à marca do Ceará (R$ 2.8 bilhões).

É interessante destacar que o volume financiado na Paraíba representou quase a totalidade do que foi financiado em todos os estados somados da região Norte. Enquanto o estado nordestino atingiu R$ 2.8 bilhões em financiamentos, a região Norte somou R$ 3.1 bilhões.

O resultado da Paraíba também alcançou um destaque expressivo a nível nacional, ficando a frete de estados como Mato Grosso do Sul, Espírito Santo e até mesmo o Distrito Federal no volume de recursos financiados.

Em relação ao número de unidades contratadas, percebe-se que a Paraíba se manteve na terceira colocação, mas superou em quase 2.500 unidades o estado do Ceará, atingindo 29.290 unidades entre 2015 e 2021, bem acima dos 26.826 do total cearense. Bahia e Pernambuco mantiveram a liderança com 42.058 e 37.175 unidades financiadas, respectivamente.

Para o Presidente do Sinduscon-JP, Wagner Breckenfeld, o resultado demonstra a importância desse tipo de habitação para o estado. Para ele “o expressivo destaque, tanto no volume negociado quanto no total de unidades financiadas de HIS na Paraíba, é fruto de um grande esforço das construtoras em levar moradia de qualidade para os que mais necessitam, aliado ao apoio incondicional da Caixa Econômica Federal à construção civil local durante todos esses anos”.

O que é habitação de interesse social

A Habitação de Interesse Social (HIS) foi criada para abrigar famílias de baixa renda e ajudar a reduzir o déficit habitacional do país.  Geralmente, são casas ou apartamentos de menores dimensões, com dois dormitórios, sala de estar e sala de jantar compartilhadas, cozinha, lavanderia e banheiro, e com localização menos valorizada. O governo também participa do fomento desse financiamento, através de programas como o MCMV (atual Casa Verde e Amarela).

Confira o gráfico abaixo

Por Werton Oliveira, economista Sinduscon/JP

Compartilhe

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *