O que pesa para a (in)definição do apoio de Luciene para o Governo do Estado

É grande a expectativa da crônica política da Paraíba para o anúncio a ser feito pela prefeita de Bayeux, Luciene Gomes (PDT), sobre o apoio dela para a disputa pelo Governo do Estado. Isso ocorre por causa da importância que têm o quarto maior colégio eleitoral do estado (com 73.291 eleitores), situado na região metropolitana de João Pessoa, mas também pela influência que a gestora local acabou tendo perante seu eleitorado e nas redes sociais.

A decisão, no entanto, não está sendo fácil, conforme apuração do blog junto a fontes ligadas diretamente à Prefeitura de Bayeux. Ela está dividida entre a maioria dos seus auxiliares mais próximos, com quem conversamos e que defendem de forma enfática uma aliança com o candidato Pedro Cunha Lima (PSDB), e aliados como os deputados federais Damião Feliciano (União), Aguinaldo Ribeiro (PP) e a senadora Daniella Ribeiro (PSD), que tentam atraí-la para a base do governador João Azevêdo (PSB).

O anúncio a Pedro, segundo aliados da prefeita ouvidos pelo blog, chegou a ser preparado, mas devido a “pressões”, foi “desmanchado” na última semana. Os que defendiam esse caminho afirmam que o apoio seria um gesto de gratidão pelos recursos aplicados pelo deputado no município, através de emendas parlamentares, que teriam chegado a R$ 10 milhões, sendo a maior parte, R$ 3,5 milhões, somente para a educação municipal.

Auxiliares de Luciene se reuniram com Cássio algumas vezes na última semana a fim de preparar o terreno para o anúncio, que não aconteceu. De acordo com esses aliados, que participaram da convenção tucana em Campina Grande, neste domingo (31), o eventual apoio de Luciene ao projeto poderia ter como consequência maiores espaços para a prefeita no PDT, partido que poderá vir a coligar-se com Pedro para o pleito de outubro.

Além disso, argumentam, a confirmação de Domiciano Cabral (Cidadania) como vice na chapa de Pedro é um fator positivo para Bayeux. Ex-prefeito da cidade na gestão de Jota Júnior, teria condições de contribuir de forma mais efetiva com recursos e obras para o município em caso de vitória nas eleições de outubro.

Apesar da argumentação feita por aliados, isso não foi suficiente para fazer a prefeita a bater o martelo e anunciar apoio a Pedro. Houve pressões, segundo eles.

Do outro lado, também há argumentos pela aliança com o governador…

A prefeita é aliada de primeira hora de Damião Feliciano (União), a quem apoia para deputado federal, de Aguinaldo Ribeiro (PP) e da senadora Daniella (PSD) e tem sido ‘tentada’ a considerar o apoio a João Azevêdo, mesmo apesar das críticas que ela já fez à gestão estadual, quando menciona a falta de investimentos concretos na cidade nos últimos anos. Críticas feitas de público em entrevistas.

Na última segunda-feira (25), Gomes recebeu Daniella no gabinete institucional, na Prefeitura de Bayeux, e fez questão de publicar uma foto com a parlamentar no feed do Instagram. Não são todas as visitas de Luciene que têm o privilégio de aparecerem em sua linha do tempo no Instagram. Na ocasião, ela fez ofícios solicitando recursos para a cidade. “Sabemos que nossas solicitações serão atendidas”, escreveu.

Por ora, o apoio de Luciene é uma incógnita. Há uma frase emblemática estampada em uma das blusas que a prefeita gosta muito de usar e que traduz as tais “pressões”, de ambos os lados, e a expectativa em torno do anúncio a ser feito por ela nos próximos dias: “Eu que lute…’

Felipe Nunes – Agenda Política

Compartilhe

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *