Originado na Paraíba, Repente é registrado como Patrimônio Cultural do Brasil

Mais uma notícia de expressiva importância para a cultura da Paraíba. Originado na Serra de Teixeira, no Sertão do Estado, o Repente acaba de ser reconhecido como Patrimônio Cultural do Brasil. A manifestação cultural se traduz no diálogo poético em que dois artistas se alternam cantando estrofes improvisadas sobre situações cotidianas.

De acordo com o Ministério do Turismo, o registro ocorreu por unanimidade, na última quinta-feira (11), durante a 98ª reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, órgão consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que integra a estrutura do Ministério do Turismo.

O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, destacou o compromisso com a proteção e a preservação da história e identidade do povo brasileiro. “Eu, como nordestino e pernambucano, estou muito feliz com mais essa expressão cultural em nosso rol de patrimônios. Com mais este registro, reconhecemos a relevância do Repente em âmbito nacional, uma vez que aporta elementos importantes para a memória e identidade do nosso país”, disse.

Com o reconhecimento do Conselho Consultivo, o Repente foi inscrito no Livro de Registro das Formas de Expressão, onde também estão registrados bens como a Roda de Capoeira, o Maracatu Nação (PE), o Carimbó (PA) e a Literatura de Cordel.

Segundo o Governo Federal, o Repente passa a ser alvo de políticas públicas para a salvaguardar a manifestação, que devem incidir ainda sobre um universo de bens associados como a Embolada, o Aboio, a Glosa e a Poesia de Bancada e Declamação.

O REPENTE

Trata-se de uma apresentação de repentistas, acompanhados de violas, e geralmente dividida em baiões, sequências em que as estrofes são cantadas alternadamente pelos poetas, mantendo a modalidade de estrofe, a mesma toada e o mesmo assunto.

A cada baião, os repentistas respondem a provocações e desafios do parceiro e a demandas e reações da plateia, que propõe temas e modalidades a serem desenvolvidos pela dupla. A expressão cultural mantém vínculos históricos com as narrativas orais e encontra-se em estreita relação com outras poéticas vocais, como a literatura de cordel.

Há registros da prática do Repente desde meados do século 19 nos estados de Pernambuco e Paraíba. As ocorrências mais antigas têm origem na Serra do Teixeira, na Paraíba. No início do século 20, a manifestação teve importante papel na difusão do rádio na região.

Forró a caminho 

Também nesta semana, o Iphan) publicou no Diário Oficial da União  Aviso de Tramitação da proposta de registro das Matrizes Tradicionais do Forró como Patrimônio Cultural do Brasil.  A publicação tem como objetivo tornar pública a intenção de registro da expressão cultural.

Após um período de 30 dias, que servirá para o recebimento de manifestações da sociedade civil, a proposta será enviada para avaliação do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, que decidirá em reunião, se as Matrizes Tradicionais do Forró se tornarão um bem  registrado pelo Instituto.

Agenda Política

Compartilhe

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *